- Anunciante -spot_img
InícioDestaqueCom 10 mil mortes por Covid, se fosse um país, Rio seria...

Com 10 mil mortes por Covid, se fosse um país, Rio seria líder em óbitos por 100 mil habitantes

- Anúncio -spot_img

A cidade do Rio de Janeiro passou na quarta-feira (8) a marca de 10 mil mortes causadas pelo novo coronavírus, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES). Na proporção por habitantes, a capital fluminense tem 148,5 óbitos a cada 100 mil pessoas — se fosse um país, o Rio teria o pior índice do mundo.

A Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, compila os dados da doença nos países e indica quantas pessoas morreram de Covid-19 a cada 100 mil habitantes. Nesta conta, San Marino é o país com maior número: 124,32 — ou seja, menos que o Rio.

O número é bem mais alto do que Itália (58,85), que chegou a não ter locais para enterrar seus mortos, e a Espanha (63,34), por exemplo (veja a tabela abaixo).

Rio tem alta proporção de mortes por coronavírus: se fosse um país, lideraria ranking — Foto: Editoria de Arte/G1

“A gente já tinha visto que a mortalidade no município do Rio de Janeiro era uma das maiores do país e uma das maiores do mundo. Esse cálculo confirma isso. É um dado concreto que precisa ser avaliado”, diz o infectologista Roberto Medronho, coordenador do Grupo de Trabalho Coronavírus da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A população da cidade do Rio em 2020, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de 6,7 milhões.

Próximo dos 10,7 milhões de suecos (57 mortes/100 mil hab.), segundo o Banco Mundial, e três vezes menor do que a população chilena, de 18,7 milhões de pessoas (62 mortes/100 mil hab.). A Itália, o 12º no ranking, tem 60 milhões de habitantes — quase dez vezes mais do que o Rio — e uma taxa de mortalidade de 58 a cada 100 mil habitantes.

Rio à frente de cidades com mais mortes

A proporção de mortes por 100 mil habitantes do Rio também é a maior se comparada com as cinco cidades brasileiras que têm mais mortos por coronavírus em números absolutos (veja no gráfico abaixo).

São Paulo lidera o número de mortes (11.740), mas é a quarta se considerada a população de mais de 12 milhões de habitantes. Fortaleza tem 3.807 óbitos, mas fica à frente dos paulistas por ter cerca de 2,6 milhões de residentes.

Mortes por 100 mil habitantes

Cidade Mortes Mortes por 100 mil
Rio de Janeiro 10.027 148,5
Fortaleza 3.807 141,7
Manaus 2.411 108,6
São Paulo 11.740 95,25
Brasília 2.813 92
Salvador 2,473 85,6

Edimilson Migowiski, doutor em infectologia pela UFRJ, afirma que os números mostram a gravidade da pandemia na capital fluminense.

“Nas mortes por 100 mil habitantes, você consegue parametrizar uma cidade com a outra. O número por mortes absolutas (total de mortes numa cidade ou país) não é uma análise isenta. Você tem que realmente fazer a proporcionalidade”, opina.

Atenção básica seria antídoto, dizem especialistas

O infectologista Roberto Medronho afirma que a geografia urbana da cidade, com aglomerações em favelas, por exemplo, acaba contribuindo para a alta dos números. Entretanto, ele diz que medidas públicas poderiam ter evitado a catástrofe.

Os dois especialistas ouvidos pelo G1 concordam que a desarticulação da atenção básica nos programas de atenção à família também contribuíram para o número de mortes.

“Se você tem uma equipe atuando com conhecimento da vulnerabilidade das famílias que estão sob sua proteção, você evita que as pessoas adoeçam. Isso foi muito ruim para a Saúde, especialmente neste momento”, diz Medronho.

Para Migowiski, o recorde de mortes pode ainda ajudar a explicar a estabilização na curva de crescimento de novos casos de coronavírus, atualmente.

A hipótese é uma suposta contaminação em massa, segundo ele, a partir da chegada da pandemia à capital fluminense. A falta de testagem em massa diminuiria o tamanho real da crise.

“A minha estimativa pro número de casos do Rio de Janeiro é bem superior à que se fala. Se a gente considerar os doadores de sangue do Hemorio, há quase dois meses, houve uma prevalência de 30%. Isso dois meses atrás. Esse número de prevalência na população deve ser muito maior.”

O que poderia ter sido feito?

Medronho enumera o que considera que tenha contribuído para o número elevado de óbitos:

No mês passado, o G1 mostrou que o Brasil era o décimo país no ranking da Johns Hopkins de mortes por 100 mil habitantes.

O governo federal tem argumentado que o país tem “um dos menores índices de óbitos por milhão entre as grandes nações”, mas a afirmação não é verdadeira.

Na ocasião, o epidemiologista e reitor da Universidade Federal de Pelotas já havia falado que a tendência era que o Brasil continuasse subindo neste ranking. Isto porque a epidemia ainda não foi controlada aqui, diferentemente de outros países.

“Ainda não estamos liderando o ranking de mortes por milhão neste momento, neste estágio em que estamos da pandemia, mas certamente vamos liderar se os números não baixarem. É só comparar os registros do Brasil semana a semana com países que lideram o ranking, e veremos que temos muito mais casos e mortes”, disse ele à época.

Veja Mais

- Anúncio -spot_img

Enquete

O que você esta achando da atual administração do seu Município?

- Anúncio -spot_img

Estamos Conectados

16,985FãsCurtir
2,458SeguidoresSeguir
61,453InscritosInscrever

Mais Lida

- Anúncio -spot_img

Matérias Relacionadas

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui