Capitão do Santos, Marinho nega frustração por Seleção e explica reflexão na rodada anterior

0
35
Capitão do Santos, Marinho nega frustração por Seleção e explica reflexão na rodada anterior

Atacante deu assistência para o gol de Madson no empate por 1 a 1 contra o Fortaleza

Marinho fala do empate do Santos para o Fortaleza: “Sempre foi um jogo duro contra eles”

Capitão do Santos pela primeira vez, o atacante Marinho mostrou-se orgulhoso ao término da partida diante do Fortaleza, na Vila Belmiro, em entrevista após o empate por 1 a 1, pela 12ª rodada do Brasileirão.

Depois de quebrar o silêncio de quase dois meses no meio de semana ao ser eleito o craque do jogo na Libertadores em vitória contra o Delfín, o jogador voltou a ser importante com uma assistência para o gol de Madson e, após a partida, falou sobre a emoção de levar a tarja no braço.

– O orgulho maior é vestir essa camisa, um orgulho que é complicado de falar, mas a emoção é muito grande por ser capitão do time. Mas capitão são todos que estão buscando, trabalhando, fazendo seu melhor. O silêncio foi mais para focar no trabalho, que todo mundo fale do Marinho mais pelo o que faz no campo, momento meu de trabalhar, que meu nome não venha como meme, mas com meu trabalho mesmo em campo – destacou o atleta de 30 anos.

Marinho Santos x Fortaleza — Foto: Divulgação/SantosFC

A cena protagonizada pelo jogador na semana passada também foi tema da entrevista. Depois do empate sem gols contra o Botafogo, em jogo com inúmeras chances perdidas pelo Peixe, o atacante ficou desolado, falando sozinho e se cobrando no gramado por cerca de cinco minutos após o fim do jogo. Ele explicou os motivos da situação.

– A gente fica mal, pelo o que a gente criou, fico mal quando empata. Foi gosto de derrota, fiquei num momento meu, às vezes chega no vestiário e quer quebrar tudo, fiquei comigo mesmo desabafando ali – disse.

Melhores momentos de Santos 1 x 1 Fortaleza, pela 12ª rodada do Brasileirão 2020

O nome de Marinho vem sendo apontado por torcedores e comentaristas como merecedor de uma chance na seleção brasileira. O jogador negou a chateação por não ter sido lembrado por Tite para os jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo diante de Bolívia e Peru, em outubro.

– Essa coisa da Seleção não me frustra, Deus sabe todas as coisas, faço meu trabalho no Santos, e o que acontecer será lucro – afirmou o atacante, que destacou o Fortaleza como um “adversário duro”.

O Santos volta a campo na quinta, pela Libertadores, diante do Olímpia, em Assunção, no Paraguai.

Veja Mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui