Fogo subterrâneo dificulta o combate às chamas no Pantanal

0
38
Fogo subterrâneo dificulta o combate às chamas no Pantanal

Mesmo depois de apagar as chamas, o fogo pode voltar mais uma ou até duas vezes na mesma área. É o chamado fogo subterrâneo.

Fogo subterrâneo dificulta o combate às chamas no Pantanal de Mato Grosso

Uma determinada característica do solo do Pantanal está tornando ainda mais difícil o combate aos incêndios.

O redemoinho de poeira é um sinal de tempo seco e temperatura alta no Pantanal. Brigadistas fazem rondas para apagar pequenos focos que ressurgem em trechos já castigados por queimadas. Em um local, eles avaliam a ponte que teve parte da sustentação atingida pelo fogo. As lontras se esconderam debaixo da estrutura, que pode desabar.

“Em muitos lugares não caiu chuva e aonde caiu a quantidade foi insignificante. Não consegue reduzir os focos de calor ao ponto de extingui-los”, afirma Paulo Barroso secretário-adjunto da Defesa Civil.

Ainda não dá para saber até quando Pantanal vai queimar, até porque o combate é complexo. Mesmo depois de apagar as chamas, o fogo pode voltar mais uma ou até duas vezes na mesma área. É o chamado fogo subterrâneo.

“Existem duas queimas: a queima que está por cima do solo e uma queima que está ocorrendo devagar, por baixo, e ela é uma queima que vai percorrendo bem mais lenta. Quando a gente apaga um incêndio em cima, esse incêndio subterrâneo continua, ele vai sempre procurando um caminho e, novamente, voltar o incêndio”, explica Isaac Wihby, tenente do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso.

Segundo especialistas, quando o Pantanal enche, a água carrega as folhas e galhos. Na seca, tudo isso fica no chão e vai se compactando ao longo dos anos, formando várias camadas e cavidades sob o solo. E é aí que o fogo subterrâneo encontra caminho para voltar à ativa.

Foi o que aconteceu quando o Rafael, que é biólogo e voluntário, estava em uma trilha. “O fogo já passou por aqui e ele reacende depois de horas. E isso pode acontecer depois de dias. Então, o monitoramento de toda a área que já foi queimada tem que ser constante. Essa área a gente apaga, resfria. O foco é eliminado, porém, se nada mais é feito, esse fogo vai retornar”, conta.

Nas imagens aéreas dá para ver bem a propagação silenciosa. Segundo os bombeiros, cada ponto é gerado por uma queimada subterrânea. As chamas atingem primeiro as raízes e depois sobem pelas árvores. Muitas vezes, os animais não têm nem tempo de fugir.

“Mais de 98% dos incêndios são causados pelo homem. E o animal sofre suas consequências diretas sem saber nem o que fazer. Com certeza, esse é o maior incêndio florestal que ocorre no Pantanal e sem nenhum precedente. Nunca aconteceu um incêndio dessa natura, com essa magnitude, com essa severidade”, afirma Paulo Barroso secretário-adjunto da Defesa Civil.

Newsletter G1Created with Sketch.

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail.

Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita.

Obrigado!

Você acaba de se inscrever na newsletter Resumo do dia.

Veja Mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui