Ministério da Economia prevê rombo de R$ 861 bilhões nas contas do governo em 2020

0
23
Ministério da Economia prevê rombo de R$ 861 bilhões nas contas do governo em 2020

Previsão anterior, em julho, era de déficit primário de R$ 787,4 bilhões. Aumento do déficit é motivado por elevação do gasto e queda de receita com a crise do coronavírus.

O déficit primário nas contas do governo deve somar R$ 861 bilhões neste ano, informou nesta terça-feira (22) o Ministério da Economia no relatório de receitas e despesas do orçamento deste ano.

Há déficit primário quando as despesas do governo superam as receitas com impostos e contribuições. Quando ocorre o contrário, há superávit. A conta do déficit primário não considera os gastos do governo com o pagamento dos juros da dívida pública.

Em maio, também no relatório do orçamento, a área econômica estimou que o rombo nas contas públicas seria menor: de R$ 787,4 bilhões.

O novo cálculo considera uma retração de 4,7% para o Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, última estimativa divulgada pelo Ministério da Economia.

Para este ano, o governo tinha autorização para registrar em suas contas um déficit primário de até R$ 124,1 bilhões.

Entretanto, com o decreto de calamidade pública, proposto pelo governo e aprovado pelo Congresso Nacional devido à pandemia do novo coronavírus, o governo não está mais obrigado a cumprir a meta, ou seja, está autorizado a gastar mais.

De acordo com o Ministério da Economia, esse rombo nas contas públicas é motivado pelas despesas autorizadas para combater a crise do coronavírus.

Esse gasto adicional foi maior em duas frentes: nas ações de saúde e nas medidas para evitar o aumento do desemprego e compensar a queda de arrecadação.

Em relação ao relatório anterior do orçamento de 2020, divulgado dois meses atrás, o governo projetou um gasto adicional de R$ 63,5 bilhões neste ano.

Com relação às despesas, o Ministério da Economia destacou a queda de R$ 17,3 bilhões na previsão de gasto com o programa emergencial de suporte ao emprego, cujo orçamento passou de R$ 34 bilhões para R$ 17 bilhões. O relatório também reduziu em R$ 4,504 bilhões a previsão com benefícios previdenciários.

Por outro lado, houve um aumento de R$ 2,3 bilhões com gastos do programa Bolsa Família e de R$ 84,3 bilhões em créditos extraordinários. A maior parte desse valor foi para o auxílio emergencial (R$ 67,6 bilhões), prorrogado até dezembro desse ano.

Além disso, devido à forte retração na economia, a arrecadação de tributos será menor em 2020 – o que também contribui para o aumento do déficit nas contas públicas.

Na comparação com o relatório de orçamento anterior, divulgado em julho deste ano pelo Ministério da Economia, a previsão de arrecadação, após transferências constitucionais, recuou em R$ 9,9 bilhões.

Contas do setor público registram maior rombo para um mês de julho

Newsletter G1Created with Sketch.

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail.

Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita.

Obrigado!

Você acaba de se inscrever na newsletter Resumo do dia.

Veja Mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui