Braz diz que Flamengo não discutiu saída de Dome: “Em nenhum momento foi pensada”

0
31
Braz diz que Flamengo não discutiu saída de Dome: “Em nenhum momento foi pensada”

O vice-presidente de futebol do Flamengo, Marcos Braz, deu entrevista coletiva virtual na tarde deste sábado, em Guayaquil, no Equador. O assunto principal: a repercussão da goleada por 5 a 0 aplicada pelo Independiente del Valle, na última quinta-feira, e a alta pressão em cima do técnico Domènec Torrent. Braz disse que não foi discutida a saída do catalão.

– A palavra “banca” me deixa desconfortável. O Dome está dentro de um planejamento nosso, inclusive do jogo contra o Palmeiras. Em momento nenhum foi discutida a saída dele. Existe uma unanimidade dentro da diretoria. Todos vieram trabalhar, fizemos extensas reuniões pra discutir parte de premiação e outras coisas que são consideradas importantes. E em nenhum momento essa hipótese foi pensada.

Marcos Braz, vice de futebol do Flamengo — Foto: Reprodução

Na próxima terça-feira, o Flamengo tem mais um compromisso pela Libertadores, desta vez contra o Barcelona, em Guayaquil. Em segundo lugar no Grupo A, a equipe precisa somar ponto para não correr o risco de perder a posição. Perguntado sobre o risco de demissão de Dome em caso de nova derrota, Braz respondeu desta forma:

– Eu não vou fazer aqui análise em cima de derrota, essa diretoria não faz análise em cima de derrota. A gente faz planejamento. Eu desconfio que deu certo até aqui. Não vou falar em fatos, “se perder de 5, se ganhar de 5”. Esse não é o momento, o momento é de chegar, entender o momento, o que passa. Se a gente fizer uma análise para trás de outros momentos de outro treinadores que estiveram com a gente, também passamos uns desconfortos, e o trabalho seguiu.

Outros trechos da entrevista de Braz:

Goleada sofrida

O resultado do jogo foi impensável. Em nenhum campeonato o Flamengo pode perder por 5 a 0, não faz parte da história vitoriosa dessa diretoria do clube. O que eu posso falar em relação a isso são dois pontos. Até hoje não foi pensado nada disso (Saída de Dome). E existe um pensamento em unidade. Não tenho muito o que falar sobre isso. Isso não quer dizer que a gente, da diretoria, ou os jogadores e pessoas que estão dentro desse processo não sabem a dimensão dessa derrota. Uma derrota que não poderia acontecer.

Mais sobre Dome

A gente vê o trabalho no dia a dia, ele chegou aqui numa segunda, já foi para o jogo no sábado. ‘Ah mas isso acontece em todo lugar’. Acontece, mas é errado. É errado porque às vezes acontece de não ter quatro, cinco dias. Ele foi corajoso. Ele poderia muito bem chegar e dizer: ‘Braz, está tudo certo, mas vou começar um jogo mais na frente pra resolver umas coisas pessoais’. E não teve, ele chegou trabalhando, chegou trabalhando porque sabe que não tinha tempo. Mas isso não pode ser desculpa para a torcida, só que deixar de analisar esse ponto me dá um profundo desconforto.

Isso não tem nada a ver com bancar nada. Às vezes ‘bancar’ passa por uma arrogância. Quem sou eu para bancar alguém? Eu não banco ninguém. Agora, eu tenho a minha análise, eu passo minha análise para o meu presidente, pros meus companheiros de diretoria. E passo minha análise aqui para a torcida, para os jornalistas e todo mundo que questiona. Não é questão de bancar por bancar. Não é arrogância, prepotência. E, sim, uma análise um pouco mais fria sobre as condições do momento.

Chance de se candidatar vereador e conciliar com o Flamengo

Eu fui Secretário de Esportes do Rio dentro do ciclo olímpico, fui VP da Suderj, sempre tive passagens pela política. Em nenhum momento afirmei que seria candidato a A, B ou C. Pode conciliar? Acho que sim. Mas nada tem a ver com a minha decisão.

Relação dos espanhóis da comissão técnica com os profissionais do Fla

Acho que essa relação está sendo construída quando nós tivemos um fato semelhante de quando veio outro treinador português junto com sua comissão técnica, ele teve 20 dias de uma intertemporada e depois começaram os jogos. Dentro desses dias, se construiu essa relação. Eu vejo que está normal, essa relação está sendo pavimentada. Eu procuro ajudar muito, outras pessoas procuram ajudar também. Para que a integração seja a mais rápida e certeira possível.

Time tem dificuldade de entender o técnico?

Em nenhum momento. Isso tudo parte de um processo de integração, de filosofia de trabalho e que precisa de maturação. Eu entendo a torcida, entendo os companheiros de clube e todos os seguimentos. A insatisfação com o resultado que passou. Eu e a diretoria respeitamos esses posicionamentos. Mas a gente também tem que ser um pouquinho mais frio porque temos informações, análises internas. A gente sabe que precisa de tempo para construir.

Queda de rendimento técnico de alguns jogadores e preparação para a volta

Dentro da avaliação que temos (sobre os jogadores), o grupo que entrou em campo foi campeão da Libertadores. Eu não vejo isso (queda de rendimento). Quanto a treinamento e condicionamento físico, precisamos ter a relação temporal. Há quatro meses, não sabíamos o que ia acontecer, ninguém sabia se campeonato ia ser antes ou depois. No meio desse processo, tivemos uma troca de treinador. A gente não acerta em tudo, mas também não digo que erramos nisso.

A gente está aí sem saber se vai ter público ou não, mas estamos na torcida para que se tenha bom senso. Claro, com um nível de segurança. Mas vamos ver no final da temporada para ver quem vai chegar inteiro. Isso a gente precisa de um tempo para saber se errou ou se não errou.

Relação do elenco com o técnico

O vestiário sempre esteve unido, não teve nenhum problema interno. Os jogadores têm uma relação muito boa. Claro que num grupo de 30 jogadores, isso existe em qualquer lugar. Entre 4 ou 5 tem uma relação mais forte, com outros pode ser menos. Mas isso não quer dizer que não tenha respeito ou companheirismo. Relação do Dome com o elenco é boa.

Desfalque de jogadores convocados para as seleções

Claro que preocupa (perda de Everton e Rodrigo Caio em três rodadas do Brasileiro). A gente perde eles, o Arrascaeta e possibilidade grande de perder o Isla. Nos preocupa, mas essa preocupação ela tem que vir e passar porque a gente vai entrar com 11 em campo, e qualquer 11 que entre em campo não é desculpa para derrota para perda de jogos. Até porque tivemos tempo suficiente para ter um elenco forte e fortalecido. Eu acredito em todo mundo. Sem exceção.

Pedido de grupo político pela demissão de Dome

Primeiro, eu encaro com maior naturalidade do mundo. O que eu posso falar é o seguinte: quem tem que resolver isso é o integrante do comitê do futebol (Dekko Roisman) com o seu grupo. Não foi externado para mim qualquer desconforto com o técnico. Como sou da política, vou dar uma sugestão. Ou o grupo tira o Dekko, ou o Dekko sai do grupo. Aceito críticas e desconforto de todo mundo, aqui a gente nunca deu banana para torcedor. A gente sempre respeitou.

Reação de Dome ao 5 a 0

Lógico que ele (Dome) mostrou um descontentamento, ele dentro do vestiário estava louco, dizendo que isso nunca aconteceu com ele, pelo menos ele não se lembrava. Essa palavra (tranquilo) nunca pode ser colocada depois de uma entrevista de 5 a 0. O Flamengo tem que ser assim, sempre foi assim. Mas a gente precisa caminhar, a gente precisa entender que a gente precisa reverter esse quadro e ir para frente. A gente tem confiança nisso pelos títulos alcançados de 2019 e 2010. Essa diretoria não tem compromisso com a derrota e nem vocação para ela. Mas daí a não fazer coisas com planejamento e segurança, acho que esse é o caminho que a gente tem que procurar. E unidos, como nós estamos aqui.

Questão física

A gente tem que entender: essa temporada não vai até dezembro, vai até março. Isso nada tem a ver com os 5 a 0, só para deixar claro. O Flamengo não pode tomar de 5 a 0 em nenhum momento. Mas a gente tem competição dessa temporada até março. Temos que ter cuidado com relação a apertar o treinamento agora e “virar o fio”, que é uma expressão que usamos no futebol quando passa do tempo, chega no ápice ainda faltando muito tempo para o fim da competição e, aí, tem uma descida brusca (de rendimento). Mas acho que vamos construir um bom caminho para 2021.

Relação conturbada com BAP

Já tivemos momentos piores. Ele tem uma participação importante na parte de construção dos orçamentos, é uma pessoa importante e que tem o seu tamanho na diretoria. A gente tem um modelo de gestão. A relação é institucional, cordial. E isso é o que interessa para o Flamengo.

Parcela de culpa do elenco

A parcela de culpa (do grupo) é igual a da diretoria. É tudo igual.

Erro de avaliação com Dome?

Não teve erro de avaliação e não teve promessa descumprida pelo Dome. O que acontece é que, em função do calendário, da pandemia, por ter jogo atrás de jogo, ele entende que tem que fazer uma troca maior entre jogadores para que eles sejam preservados dentro de uma análise de minutagem, não é de achismo. Para que quando a gente chegue na reta final, a gente tenha excelência com todos os jogadores. Eu entendo a pergunta, mas não vejo descumprimento nem erro nosso na contratação. É lógico que a gente queria outros resultados, um pouquinho melhores.

Chance de alguma saída de jogador? Arrascaeta, Bruno Henrique e Gerson

Os jogadores estão pra sair há bastante tempo (risos). Um vai para o Benfica, o outro pra não sei onde. E eles continuam aí e, inclusive, perderam de 5 a 0. Esses jogadores tem multa rescisória acima de 40, 50 milhões de euros. E até hoje não teve nada. Lá em Portugal tem gente animada para levar futebol, os árabes também.

Isso é um esforço da diretoria de manter esse elenco, de manter esses jogadores aqui. Essa diferença cambial é abissal, isso se torna atrativo para o jogador para ter um ajuste rápido indo lá para fora. Dos empresário, que tentam fazer seu trabalho. Dos pais, tentando fazer o melhor para os filhos. Mas aí também tenho que destacar o papel da diretoria, o esforço do Landim, o esforço de outros departamentos.

Falta da torcida

Eu não tenho duvidas (de que o rendimento aumenta com a torcida). Não quero dizer que 100% para não acharem que dou desculpas. Mas é outra atmosfera. Ainda mais com a torcida do Flamengo, que cobra, fica em cima, ela bota todos que estão dentro do processo numa situação mais desconfortável para que a gente possa ter o êxito.

Repercussão interna da goleada

Lógico que tem analise em cima disso (da derrota). Mas o impacto em cima do que estava planejado para Guayaquil é zero. Por quê? Porque estamos aqui a oito horas de casa, então impossibilita algumas análises. Quando falei da derrota, é claro que a derrota em si tem impacto. Foi 5 a 0, foi a maior derrota do Flamengo na Libertadores. É claro que a gente acende um alerta, todo mundo fica desconfortável.

Jogo contra o Barcelona

A equipe vai bem. Primeiro já tira fato dos 2.800 metros, aqui já estamos no nível do mar. A gente imediatamente após o jogo já estava dentro do avião fretado para vir para Guayaquil. Isso é trabalho de união, de outras pessoas. As pessoas aqui trabalham com excelência. Mas a gente vai bem. A gente vai ficar cinco dias junto aqui. Quem me conhece sabe que eu não deixo isso solto, mas eu faço da minha maneira. Pode ficar tranquilo que esse assunto (a derrota) foi abordado.

Renovação de Diego Alves

Trabalhamos em cima de todas as renovações, estamos trabalhando em cima dessa. Mas cada hora tem um problema, tem viagem. No meio desse processo tivemos que viajar para trazer o Isla. O Diego Alves é prioridade nossa, tenho que falar nisso. Nossa relação com ele, não sei se vocês recordam, o Diego Alves estava afastado há três meses, e a nossa diretoria fez com que ele ficasse. Acho que a diretoria acertou, acho que eu acertei e acho que o atleta acertou em ficar aqui. A gente acredita que vai resolver isso aí. Não é ordem de prioridade, “ah que o atleta tal renovou primeiro…”. É porque tem que renovar um por um, depois que renova com um passa pro outro. Sistematicamente estamos falando com o empresário dele e acho que não vamos ter problema nenhum

Veja Mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui