Abraham Weintraub corre risco de responder judicialmente por falas contra o STF

0
9
Abraham Weintraub corre risco de responder judicialmente por falas contra o STF

Se por um lado ministros do Palácio do Planalto acreditam que não haverá grande impacto as declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ocorridas na reunião com os ministros do dia 22 de abril, foi acesa a luz amarela no Governo por causa da possibilidade de Abraham Weintraub, o ministro da Educação, responder criminalmente por causa de suas falas agressivas direcionadas aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Fritura

O ministro já vinha passando por um processo de fritura dos aliados do presidente por não concordar com a orientação de Bolsonaro de dar espaço no MEC para políticos do “centrão”.

Depois da divulgação do vídeo, interlocutores do governo afirmam que a situação de Weintraub é delicada, porém eles entendem que neste momento Jair Bolsonaro não teria intenção de substituí-lo.

Cadeia

Na reunião ministerial, Abraham Weintraub disse que os ministros do STF deveriam estar presos. No Planalto, os aliados do presidente da República acreditam que, com certeza, algum dos magistrados do Supremo irá acionar Weintraub na Justiça. A preocupação existente é que uma ação judicial contra um dos ministros do presidente da República faça com que a relação entre o Executivo e o Judiciário se torne conflituosa.

No governo, existem os que acreditam que Bolsonaro abrirá mão de ter Weintraub no ministério da Educação se a situação ficar crítica.

Mas existem aliados de Bolsonaro que afirmam que o mandatário não estaria disposto a fazer o sacrifício de trocar o ministro da Educação.

De acordo com pessoas próximas ao presidente, Jair Bolsonaro afirmou no sábado (23) que Weintraub teria saído fortalecido da reunião, mesmo com suas declarações ofensivas ao STF.

Aliados de Bolsonaro consideram que os ataques de Weintraub ao STF podem ser classificadas como “conversas reservadas”, que não poderiam ser divulgadas. Um dos membros do governo que pertence a ala ideológica acredita que por se tratar de uma reunião fechada, não seria cabível ter ações judiciais.

A oposição de Weintraub para ceder espaço para os indicados políticos do “centrão” causaram seu processo de fritura.

Ministros da articulação política já se queixaram do ministro com deputados. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi outro que também deixou clara a sua insatisfação com Weintraub. Por enquanto o ministro que é figura representativa na militância bolsonarista, segue firme.

Outra dor de cabeça no governo que foi causada pela revelação das falas agressivas do líder do Executivo que xingou os governadores João Doria e Wilson Witzel, de São Paulo e Rio de Janeiro respectivamente. A relação entre Bolsonaro, Doria e Witzel parecia estar melhorando após a reunião dos governadores ocorrida na última quinta-feira (21), nesta oportunidade, membros do Planalto elogiaram a postura do governador de São Paulo, que demonstrou apoiar projetos de Bolsonaro.

Com a divulgação do vídeo da reunião ministerial, aliados de Bolsonaro temem que a relação entre o governo federal e os governadores volte a ficar tensa.

Não perca a nossa página no Facebook!

© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Veja Mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui