Moro vira alvo de partidos para eleição à presidência em 2022

0
291
Moro vira alvo de partidos para eleição à presidência em 2022

A saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça e a subsequente briga deste com o presidente Jair Bolsonaro coloca o ex-juiz como um nome a ser considerado para as Eleições presidenciais de 2022. E pelo menos dois partidos estão dispostos a conversar com o ex-ministro para isto.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, o PSL (Partido Social Liberal), antigo partido de Bolsonaro, e o Podemos já começaram a cortejar Moro na busca de uma chance para que este seja candidato à Presidência da República, possivelmente enfrentando o seu ex-patrão.

Moro evita falar em candidatura

O nome do ex-ministro e juiz da Operação Lava Jato sempre apareceu em especulações sobre sua possibilidade de disputar cargos políticos.

Muito devido a sua popularidade junto à população, sendo um dos símbolos do combate à corrupção no Brasil.

No entanto, Moro não quer discutir neste momento a possibilidade de entrar para a política visando se candidatar à Presidência. De acordo com o informado pelo Estadão, o ex-ministro da Justiça respondeu a emissários de PSL e Podemos que não deseja pensar no momento em ser candidato.

O motivo é que qualquer sinalização a buscar ser candidato a presidente em 2022 possa virar motivo para que bolsonaristas aumentem o rigor dos ataques contra ele, principalmente pela atribulada saída deste do Ministério da Justiça.

“O Moro não quer conversar sobre isso agora, porque isso serviria para dar munição ao inimigo.

Neste momento de consciência cívica que estamos, não devemos pensar em eleições”, declarou o senador do Podemos Álvaro Dias (PR).

A ‘atuação política’ de Moro também foi usada por petistas para criticar a atitude do juiz no processo que levou a cadeia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da atuação da Lava Jato contra figuras do partido.

E também na atuação deste no processo que acabou levando ao impeachment de Dilma Rousseff

“Ele tem ligação mais próxima com o Podemos, mas a gente também está ‘na fila’, O Sergio Moro vai trazer esse público anti-esquerdista que é pelo combate à corrupção”, afirmou o também senador Major Olímpio (PSL-SP)

Moro x Bolsonaro e PT

A ascensão de Sergio Moro como ‘player’ político se dá com a tentativa de se achar uma espécie de ‘terceira via’ entre Bolsonaro e PT.

Há a análise de que, assim como em 2018, Jair Bolsonaro e o petismo serão as duas principais forças a batalhar pelo Palácio do Planalto nas próximas eleições. E Moro seria um nome que agradaria a opositores de ambos.

Anti-esquerdistas críticos ao governo Bolsonaro seriam a principal fonte de apoio do ex-ministro, caso este venha a se tornar presidente, além de simpatia de movimentos que trabalharam pelo impeachment de Dilma Rousseff e de políticos que fazem parte de grupos que defendem um maior rigor no combate à corrupção no sistema político.

Com isso, o Planalto tenta se armar para buscar brecar a candidatura de Moro, que pode tirar parte do eleitorado que levou Bolsonaro a ser eleito presidente.

Um pedido de investigação do ex-ministro feito por advogados ligados ao PT e as reclamações petistas de suspeição deste durante sua participação na Lava Jato poderiam, segundo o jornal, servir aos interesses bolsonaristas.

Investigação pode atrapalhar planos políticos

No entanto, o ex-ministro ainda está envolvido na investigação na qual acusa o presidente de tentar interferir no comando da Polícia Federal ao trocar Maurício Valeixo por um nome com o qual poderia ter mais controle, sobretudo em investigações que podem complicar familiares de Jair Bolsonaro.

Moro prestou depoimento na Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre o caso e espera o desenrolar das investigações. Com tal processo ainda corrente, qualquer movimentação que inclua o nome do ex-ministro da Justiça em processos eleitorais deve ficar para depois.

Não perca a nossa página no Facebook!

© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Veja Mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui